Saiba como os senadores sergipanos votaram no projeto da reforma trabalhista

Política | 12/07/2017 22h06

Em sessão tumultuada, após senadoras oposicionistas ocuparem a Mesa Diretora da Casa por quase sete horas, impedindo a votação, o Senado aprovou, por 50 votos favoráveis e 26 contrários, a reforma trabalhista proposta pelo governo.

Continua depois da publicidade

Os senadores Antônio Carlos Valadares (PSB) e Eduardo Amorim (PSDB) votaram contra a reforma. A senadora Maria do Carmo Alves (DEM) não compareceu à sessão.

O texto aprovado altera mais de cem pontos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Desde o início das discussões da proposta, os senadores Amorim e Valadares mostravam-se contrários, já Maria do Carmo, disse que a reforma era realmente necessária para que se faça uma adaptação na legislação trabalhista, visando ajustá-la às novas relações de trabalho.

Por meio de nota, a senadora informou que faltou à sessão para acompanhar o marido que estava hospitalizado. Confira a nota:

“Desde antes, declarei-me a favor das  mudanças na  legislação brasileira e votei favoravelmente essa matéria na CCJ, mas ontem a  sessão de  votação sofreu  obstrução por mais de 6h e quando foi reaberta, no  começo da noite, eu  já estava acompanhando João, que precisou se internar para a  realização de alguns exames. Entretanto, acredito que o fato da reforma ter sido aprovada sem  alterações ao texto enviado pela  Câmara,  acabará dando  mais  agilidade para as  soluções de  recomposição  econômica e do  emprego,  assegurando  imediata flexibilidade para as  relações de trabalho. Sobre os pontos que precisariam ser  alterados, acredito que o  presidente Temer  manterá sua palavra e editara, imediatamente após a sanção da Reforma, uma medida  provisória  contemplando a  alteração de pelo menos seis  pontos  polêmicos da Lei”.

Fonte: Blog do Max

Tópicos Política
Mais Recentes
Comentários
Publicidade