Especialistas orientam sobre os riscos do vírus Zika

Saúde | 04/12/2015 09h03

aedes-aegyptiVírus conhecido pela medicina desde o fim dos anos 40, o Zika passou a ser assunto nos lares brasileiros depois que foi confirmado que filhos de gestantes infectadas podem nascer com microcefalia, uma malformação irreversível. Segundo a infectologista da Secretaria de Saúde do Distrito Federal, Eliana Bicudo, já foi relatado na literatura médica que o Zika pode ser transmitido pelo leite materno e pelo esperma.

A transmissão mais conhecida deste vírus, que começou a circular fortemente no Brasil este ano, é pelo mosquito Aedes aegypti, também transmissor da dengue e da febre chikungunya. Até o começo de novembro, 18 estados tinham registrado transmissão interna de Zika, onde mais de 17 mil casos foram notificados.

Continua depois da publicidade

Além de causar microcefalia, já está registrado na literatura médica que o Zika também pode desencadear a síndrome de Síndrome de Guillain-Barré, que é uma reação autoimune do organismo, geralmente relacionada a infecção por alguns vírus ou bactéria.

Segundo o Ministério da Saúde, os sintomas febre, olhos vermelhos, manchas vermelhas com coceira, dores no corpo acometem apenas cerca 20% dos infectados, os outros não percebem que foram contaminados com o vírus. “Aí é que está o perigo, você pode estar com uma doença silenciosa,que trás um risco alto para grávidas e pode transmiti-la”, pontuou a especialista.

Para quem tem o quadro típico, o tratamento está baseado nos sintomas, com uso de paracetamol ou dipirona, assim como acontece com a dengue e com febre chikungunya. Normalmente, depois de no máximo sete dias o paciente está totalmente recuperado.

Segundo Eliana, uma grande dificuldade para saber se a microcefalia é em decorrência do vírus Zika é que o vírus só circula no sangue por cerca de cinco a sete dias. “O médico pergunta e a mãe muitas vezes não lembra se teve o quadro, nem sabe se teve”.

O que as pesquisas apontam é que quem teve Zika fica imune ao vírus, porém, não há exames que detectem quem está imune. Segundo a infectologista, agora os pesquisadores buscam se houve uma mutação no vírus, já que efeitos como a microcefalia nunca foram relatados em quase 70 anos de conhecimento do organismo.

O exame para a confirmação da infecção por Zika ainda não chegou à rede privada de laboratórios e, segundo o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Antônio Nardi, a pasta está buscando formas de baratear o kit de diagnóstico. Por enquanto, segundo Eliana Bicudo, o resultado demora cerca de dois meses.

Como a relação entre o Zika e a microcefalia é muito recente, ainda não se sabe se o vírus pode causar sequelas ao bebê em qualquer período da gestação. “Os primeiros 3 ou 4 meses de gravidez é o período que existe maior risco de que a gestante tendo a infecção pelo vírus Zika venha a produzir uma malformação na criança. Mas como os estudos são muito recentes, não podemos afirmar se, depois do contato com o vírus, a criança não terá nenhum problema. O ideal que ela tome os cuidados contra a picada do mosquito a gravidez inteira”, alertou o infectologista Dalcy Albuquerque, da Sociedade Brasileira de Infectologia.

O especialista alerta que muitas vezes quem tem os sintomas da doença pode confundir esses sinais com cansaço ou com uma virose leve> Porém, se a paciente for gestante, qualquer sinal deve ser comunicado ao médico.

Não existe vacina contra o Zika: a única forma de evitar a doença é o controle do mosquito transmissor. Por isso, o Ministério da Saúde tem convocado fortemente a população a eliminar depósitos de água parada, a vistoriar suas as casas ao menos uma vez por semana, destruindo possíveis criadouros, e a evitar lixo, entulhos, garrafas e a vedar caixas d’água.

Para as gestantes é recomendado que andem de calças compridas e usem sapatos fechados ou meia, já que o mosquito tem hábitos rasteiros, picando mais pernas e pés. Outra opção recomendada pelo Ministério da Saúde é o uso de produtos repelentes de uso tópico, que podem ser aplicados diretamente na pele. Mas é importante verificar se o produto está registrado na Anvisa e seguir as instruções de uso descritas no rótulo. A consulta de cosméticos repelentes regularizados pode ser feita no site da Anvisa.

Segundo o Ministério da Saúde, o Aedes aegypti tem hábitos diurnos e atuam mais no começo da manhã e no final da tarde.

Agência Brasil

Tópicos Saúde
Mais Recentes
Comentários
Publicidade