Técnicos da UFS vão paralisar atividades nesta quinta-feira

Educação | 13/04/2016 14h11

Os técnicos-administrativos da Universidade Federal de Sergipe (UFS) suspenderão o exercício das suas atividades na próxima quinta-feira, 14, em protesto ao Governo Federal por enviar para apreciação na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 257/16. A proposta voga por medidas de estímulo ao reequilíbrio fiscal, que na ótica de Lucas Gama, presidente do Sindicato dos Servidores da Universidade Federal de Sergipe (Sintufs), implicará no congelamento dos salários dos servidores e dos concursos, corte de recursos e, inclusive, demissão de servidores.

A decisão dos técnicos foi tomada de forma unânime em assembleia na tarde desta terça-feira, 12, que deliberou ainda, a realização de um ato no hall da reitoria a partir das 7h da quinta-feira. Conforme Lucas, a intenção é que o reitor da UFS se posicione contra a PL. O sindicalista reforçou que os serviços essenciais serão mantidos com 30% do efetivo profissional, como exemplo atendimento e medicação de uso contínuo no Hospital Universitário, prestação de suporte de redes de internet, energia, e os setores de alimentação dos animais do campus.

Projeto de Lei

De autoria do Poder Executivo, o Projeto de Lei está pronto para pauta no plenário da Câmara dos Deputados e tramita em regime de urgência. Sua apreciação estava escalada para a sessão da última segunda-feira, 11, mas acabou não acontecendo em função do cancelamento da Ordem do Dia, conforme consulta no site da Câmara.

Continua depois da publicidade

Na visão de Lucas Gama, a propositura se trata de “um ataque frontal ao servidor público, e caso aprovada, acarretará ainda mais na precarização dos serviços nas universidades”, disse. Gama aponta que uma das maiores contrariedades no entender do sindicato é a intenção do governo em reviver o programa de demissão voluntária. “É um tipo de medida em que o governo seduz o servidor com quantias em dinheiro em troca do seu pedido de demissão. No lugar desses, contratam funcionários terceirizados”, critica.

FONTE: Infonet

Tópicos Educação, Sergipe
Mais Recentes
Comentários
Publicidade