Assalto a banco na Bahia mobiliza polícia sergipana

Policial | 02/06/2015 17h59

Assalto a banco na Bahia mobiliza polícia sergipana

(Fotos: i9Sergipe/WhatsApp)

Um assalto a uma agência bancária na cidade de Conde, no Litoral Norte da Bahia, no final da manhã desta terça-feira (2), mobilizou a polícia sergipana que reforçou o policiamento na divisa com a Bahia para evitar uma possível fuga do bando para Sergipe.

De acordo com informações da Polícia Militar em Sergipe, equipes do Comando de Operações Especiais (COE), Batalhão de Polícia de Choque (BPChq), Grupo de Ações Táticas do Interior (GATI), do Grupamento Tático Aéreo (GTA) e da Companhia de Polícia Rodoviária Estadual (CPRv) foram deslocadas para região, com o objetivo de auxiliar a polícia baiana nas buscas.

A 51ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM) confirmou a ação, mas não informou detalhes sobre o assalto. A ação foi praticada por 16 homens armados, alguns deles com fuzis.

Continua depois da publicidade

De acordo com informações do delegado André Silva Santos, da Delegacia do Conde, cinco pessoas feitas reféns já foram liberadas na região de Jandaíra. Um dos reféns foi preso ao para-brisa de uma Hillux branca usada para a fuga. Ainda de acordo com o delegado, além das Polícias Civil e Militar, agentes da Polícia Federal auxiliam nas buscas pelos assaltantes.

Um dos 16 homens apontados como integrantes da quadrilha morreu em um acidente durante a fuga. A informação foi confirmada pelo coronel Rolemberg, comandante do Batalhão de Choque do Estado de Sergipe. De acordo com o coronel, um dos veículos, um Tucson de cor preta, capotou a cerca de 30 km da divisa entre os dois estados, vitimando ao menos um dos suspeitos. No local, os policiais apreenderam armas utilizadas durante a ação.

Um cliente do banco, presente no momento do assalto, relatou que os criminosos invadiram a agência com as armas nas mãos e anunciaram o assalto.

Depois de destruírem a tiros a porta de vidro que dá acesso ao interior do banco, o bando fez os homens tirarem as camisas, darem as mãos e formarem uma corrente/escudo para evitar a ação da polícia. “Foram uns 30 minutos de agonia”, lembrou o cliente, que preferiu manter o sigilo sobre sua identidade.

Antes da fuga, os seguranças foram amarrados no capô de dois dos carros, com cordas roubadas de uma loja de material de construção, vizinha ao banco, que também acabou sendo assaltada.

Com informações de A Tarde e Aratu Online e F5 News

Tópicos Policial
Mais Recentes
Comentários
Publicidade